Massagem Shantala

Descrição da acção

A Shantala é uma técnica de massagem em bebés com finalidade terapêutica, com origem indiana, fortemente influenciada pelas tradições do Yoga e da Medicina Ayurvédica. A Shantala é indicada para bebés com idade compreendida entre 1 mês e 5 anos de idade e tem como principais efeitos o alívio de cólicas, relaxamento, tranquilidade e reforço do vínculo entre mãe-bebé. Esta técnica estimula também o desenvolvimento emocional do bebé.


Objectivos gerais

Dotar os participantes dos conhecimentos necessários para a execução de uma massagem ao bebé de características relaxantes e terapêuticas.


Objectivos específicos

No final da acção, os formandos deverão ser capazes de:

    • Caracterizar, por escrito, a massagem shantala, sem consultar o manual de apoio, com uma taxa de sucesso igual ou superior a 50%;
    • Descrever, por escrito, benefícios e contra-indicações da massagem shantala, sem consultar o manual de apoio, com uma taxa de sucesso igual ou superior a 50%;
    • Identificar, por escrito, as principais estruturas anatómicas, sem consultar o manual de apoio, com uma taxa de sucesso igual ou superior a 50%;
    • Caracterizar, por escrito, os fundamentos da massagem terapêutica, sem consultar o manual de apoio, com uma taxa de sucesso igual ou superior a 50%;
    • Descrever, por escrito, o ambiente espacial necessário para realização da massagem shantala, sem consultar o manual de apoio, com uma taxa de sucesso igual ou superior a 50%;
    • Distinguir, por escrito, os posicionamentos adequados do bebé e massagista durante a realização da massagem shantala, sem consultar o manual de apoio, com uma taxa de sucesso igual ou superior a 50%;
    • Enunciar, por escrito, os produtos aconselhados para realização da massagem shantala, sem consultar o manual de apoio, com uma taxa de sucesso igual ou superior a 50%;
    • Executar, num modelo de bebé, uma massagem shantala para situação específica pré-definida, sem consultar o manual de apoio, com uma taxa de sucesso igual ou superior a 50%;
    • Executar, num modelo de bebé, uma massagem shantala completa, com recurso a técnicas diversificadas e movimentos de alongamento, com uma taxa de sucesso igual ou superior a 50%.

Perfil do formador

Certificado pelo IEFP e com significativa experiência na área


Carga horária


Condições de realização

Material obrigatório a cargo do formando:

    • Modelo de bebé – aproximadamente 50 cm (o mais maleável possível)
    • Uma toalha
    • Uma almofada
    • Roupa confortável e meias
    • Toalha/manta para deitar o bebé
    • Óleo de massagem – de utilização habitual na pele do bebé

Metodologia

Tendo como princípio a formação ao longo da vida, a Academia Apamm favorece a adopção de metodologias de ensino-aprendizagem que tenham por base as aquisições, experiências e vivências dos participantes ao longo da sua experiência profissional (e pessoal), expressando-se através de:

    • Adopção de técnicas formativas essencialmente activas e participativas, apelando à motivação e interesse dos formandos através da partilha de conhecimentos e informações.
    • Postura do formador será de mediador do processo de aprendizagem e de potenciador da aquisição de conhecimentos e reciclagem ou especialização de competências.
    • São privilegiadas actividades práticas de simulação, realização de trabalhos individuais e de grupo.

A metodologia demonstrativa, interrogativa e activa serão, nesse sentido, as mais potenciadoras da aprendizagem.


Momentos e modalidades de avaliação

A responsabilidade pela avaliação de conhecimentos dos formandos adquiridos através da formação, assim como a análise do nível de cumprimento dos objectivos definidos para a acção de formação pertence ao formador. Neste sentido é responsável por realizar e esclarecer junto dos formandos a natureza das avaliações efectuadas na formação pela qual é responsável, respeitando as seguintes condições:

    • A forma de realização das actividades de avaliação poderá ser múltipla, por exemplo: trabalhos de grupo, provas escritas, provas práticas simuladas e trabalhos individuais.
    • Tem de ser necessariamente realizada uma avaliação diagnóstica no início do módulo/curso com registo evidenciado em DTP. Esta avaliação pode ser escrita, realizada individualmente por cada formando, ou caso seja efectuada noutro formato (avaliação oral), o formador deverá realizar um relatório dos resultados desta avaliação diagnóstica situando os formandos ao nível de conhecimento médio e, sempre que se verifique, identificando os formandos que demonstram maiores e menores conhecimentos, propondo, desde logo, as alternativas pedagógicas que pretende utilizar em sala.
    • Durante a intervenção, o formador poderá recorrer a actividades de avaliação formativa como forma de regulação da aprendizagem.
    • No final do curso, o formador realizará uma avaliação sumativa através de um teste escrito ou trabalho prático individual, de forma a obter desta forma uma noção mais específica dos conhecimentos adquiridos por cada formando.
    • Todo o formando deve ser objecto de, pelo menos, uma avaliação individual, fisicamente evidenciada e arquivada no dossier técnico-pedagógico (por exemplo, provas individuais ou no caso de simulações individuais gravação em suporte magnético).
    • No final da formação, o formador deverá colocar em DTP as classificações finais de cada formando.
    • A informação classificativa final traduz-se, obrigatoriamente, num valor da escala de zero (0) a cem (100) valores.

Assiduidade dos formandos

A assiduidade deste curso é um requisito fundamental, na medida em que existem competências transversais que só podem ser adquiridas em contexto de formação presencial. Será condição obrigatória a frequência de 95% do total de horas do respectivo curso.
Da avaliação contínua e final pode resultar a necessidade do formando repetir ou reforçar um determinado tema, módulo ou momento de avaliação, onde se verifiquem situações como: falta do formando a um momento de avaliação; resultado obtido de nível insuficiente num determinado tema ou momento de avaliação, entre outros. Neste sentido poderá haver lugar a duas medidas de remediação: reforço das temáticas onde se verificou falta de aproveitamento; aplicação de um instrumento de avaliação equivalente. Esta decisão caberá à coordenação juntamente com o formador do respectivo módulo.


Certificação da formação

No final da formação será emitido um certificado de formação profissional, numa escala qualitativa, a todos os formandos que:

    • a) Tenham obtido aproveitamento em todos os momentos de avaliação formativa e sumativa.
    • b) Tenham cumprido com os seus deveres de formando, respeitando rigorosamente os deveres de assiduidade e pontualidade.

A classificação da avaliação dos resultados da aprendizagem de cada formando é expressa através da atribuição de uma menção qualitativa e de uma classificação de acordo com a seguinte escala:

    • Muito Bom – de 18 a 20 valores;
    • Bom – de 15 a 17 valores;
    • Razoável – de 10 a 14 valores;
    • Fraco – de 7 a 9 valores;
    • Muito Fraco – de 1 a 6 valores.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s